APELO

Paulo de Freitas Mendonça

 

Porque será, Senhor

Que o homem pisou na lua

Se existem tantos na rua

Delirando em dor,

Carentes de amor

Pior do que animais;

E os cientistas tais

Cheios de conquista

Fecham as vistas

Pras doenças fatais.

 

Ainda fazem armas fortes

Ofendendo a terra,

Promovendo a guerra

Sem razões p'ra morte

Tão maldita sorte

Do homem ao progredir

Que sem querer ouvir

Quase se transformou

E já encontrou

Como se auto destruir.

 

Peço ao Bom Patrão

Que olhe para baixo,

Pois razão não acho

P'ra haver destruição.

Faça a compreensão

Vir predominar

E que o verbo amar

Seja sempre ouvido.

Assim haverá sentido

A vida continuar.