SETE BRAVOS - UM DESTINO

Moisés Silveira de Menezes

 

Barba escura chapéu negro

O lenço de um rubro forte

Sobrepairando na gola

Do poncho azul de baeta

Lendária legião guerreira

Dos altiplanos da Ibéria

Cavalaria avoenga

Dos bérberes maragatos

Um   galope história adentro

Tropel de crinas e fúrias

Tempestade em quatro patas

Dom Aparício Saraiva.

 

            Foi palavra no princípio

Al cabo também será

Espada, lança, sentença

Esgrima de ideias claras

Acordando as pradarias

Verdade no fio da voz

Troveja um novo amanhã

               Lendária divisa roja

Drapeja aos ventos do sul

Faz tremer poder e força

Um homem feito de verbo

Gaspar Silveira Martins.

 

O Senhor das Encantadas

Homem de adagas e letras

O sangue de 35

Vem de herança, vem no lenço

No gosto das canchas retas

Guerreiro de rara estirpe

Um sabedor dos caminhos

Recua,avança, volteia

guerrilha de movimentos

Surpresa, sagacidade

Zeca Netto General

Das voltas do Camaquã!

 

O lenço escarlate vivo

Acena sobre as muralhas

Da sentinela de pedra

Um líder de muitas faces

De guerra de campo e gado

Político diplomata

Tem no saber sua espada

Palavra ponta de lança

Um símbolo Pedras Altas

Um castelo sobre a Pampa

Libertadora memória

Do tempo de Assis Brasil.

 

Caboclo de poucas letras

Nasceu líder morreu líder

Raça bugra da Palmeira

Senhor de matos,capoeiras

Sem a pompa dos caudilhos

Sem fletes ,nem carreiradas

Nos anseios libertários

Teve seu rumo e visão

Desafeito ao campo aberto

Cruza o tempo Leonel Rocha

Um lenço vermelho vivo

Singrando na flor do peito.

 

 

Alma livre dos Minuanos

Dos boleadores Charruas

Rude essência fronteiriça

Do alto de um mouro negro

Colorado solto ao vento

Espada na mão direita

Desenhando o próprio rumo

O velho Estácio Azambuja

Coragem vem de à galope

Dos campos do Batovi

Coxilhas do Caiboaté

Verdes plainos de Bagé.

 

Liberdade um apanágio

Não se conquista de joelhos

Homem simples alma grande

Líder de poucas palavras

Estrategista de estirpe

Um Leão ruge na pampa

Querer e saber de Leis

Que governassem os homens

Guerreiro de campo aberto

Das trilhas do Caverá

General Honório Lemes

Tropeiro da liberdade.

 

 

Destino forjado a ferro

Legado de muitos longes

Raios de sol e de sangue

Sinalizando um caminho.

Horizonte sempre perto

Pra um voejar de à cavalo

A palavra mais que um tiro

A espada sempre um recurso

Um mapa que se desenha

Com lanças, homens e potros

Sete bravos - um destino.

Rio-grandense, maragato!!!